Montagem de placas de circuito impresso

A MTI é uma empresa de alta tecnologia especializada no fabrico de placas de circuito impresso, montagem de placas de circuito impresso e serviços de aquisição de peças com mais de 20 anos de experiência. Estamos empenhados em produzir vários tipos de placas de circuito impresso, principalmente incluindo placas de circuito de face única, dupla face, multi-camada, HDI de alta precisão, placas flexíveis (FPC), placas rígidas-flexíveis (incluindo HDI), placas de circuito de metal e seu plugin SMD. As áreas de aplicação da linha de produtos incluem: fonte de alimentação. Resposta rápida, controle de qualidade rigoroso, melhor serviço e forte suporte técnico exportam nossos produtos PCB para mercados globais, incluindo, Coreia do Norte, Tanzânia, Arábia Saudita, Ilhas Pitcairn, Ilhas Paracel, Iémen, Guiné-Bissau.

A MTI gostaria de construir uma relação comercial longa e estável com os clientes de todo o mundo com base em benefícios mútuos e progresso mútuo; Escolha a MTI, conduza-o ao sucesso!

Nome do produto Montagem de placas de circuitos
Palavra-chave 2.4ghz pcb antena,eft pcb,pcb fab,montagem de circuitos impressos,fornecedores de montagem de placa de circuito impresso
Local de origem China
Espessura da placa 2~3,2mm
Sectores aplicáveis fonte de alimentação, etc.
Serviço Fabrico OEM/ODM
Certificado ISO-9001:2015, ISO-14001:2015,ISO-13485:2012.UL/CSA
Cor da máscara de solda Branco
Vantagem Mantemos a boa qualidade e o preço competitivo para garantir o benefício dos nossos clientes
País de vendas Em todo o mundo, por exemplo: Coreia do Norte, Tanzânia, Arábia Saudita, Ilhas Pitcairn, Ilhas Paracel, Iémen, Guiné-Bissau

 

Temos uma vasta experiência em engenharia para criar um esquema utilizando uma plataforma de software como o Altium Designer. Este layout mostra-lhe o aspeto exato e a colocação dos componentes na sua placa.

Um dos nossos serviços de conceção de hardware é o fabrico de pequenos lotes, que lhe permite testar rapidamente a sua ideia e verificar a funcionalidade da conceção de hardware e da placa PCB.

Os seus produtos são sempre entregues antes do prazo e com a melhor qualidade.

Guia de FAQs

1) Qual é a corrente máxima que uma placa de circuito impresso pode suportar?

Mantemos um certo montante de investimento em I&D todos os anos e melhoramos continuamente a eficiência operacional para prestar melhores serviços aos nossos clientes cooperativos.
A corrente máxima que uma placa de circuito impresso pode suportar depende de vários factores, como a espessura e a largura dos traços de cobre, o tipo de material utilizado para a placa de circuito impresso e a temperatura ambiente. Geralmente, uma placa de circuito impresso normal pode suportar correntes até 10-20 amperes, enquanto as placas de circuito impresso de alta potência podem suportar correntes até 50-100 amperes. No entanto, recomenda-se sempre que se consulte um fabricante de placas de circuito impresso para conhecer as capacidades específicas de manuseamento de corrente para uma determinada conceção de placa de circuito impresso.

2) Em que é que os componentes de montagem em superfície diferem dos componentes de passagem numa placa de circuito impresso?

Prestamos atenção à experiência do utilizador e à qualidade do produto, e fornecemos a melhor qualidade do produto e o menor custo de produção para os clientes cooperativos.
Os componentes de montagem em superfície (SMD) e os componentes de orifício passante (THD) são dois tipos diferentes de componentes electrónicos utilizados nas placas de circuito impresso (PCB). A principal diferença entre eles reside no seu método de montagem na placa de circuito impresso.

1. Método de montagem:
A principal diferença entre os componentes SMD e THD é o seu método de montagem. Os componentes SMD são montados diretamente na superfície da placa de circuito impresso, enquanto os componentes THD são inseridos em orifícios perfurados na placa de circuito impresso e soldados do outro lado.

2. Tamanho:
Os componentes SMD são geralmente mais pequenos em comparação com os componentes THD. Isto deve-se ao facto de os componentes SMD não necessitarem de fios ou pinos para a montagem, permitindo um design mais compacto. Os componentes THD, por outro lado, têm fios ou pinos que precisam de ser inseridos na placa de circuito impresso, o que os torna maiores em tamanho.

3. Eficiência de espaço:
Devido ao seu tamanho mais pequeno, os componentes SMD permitem um design mais eficiente em termos de espaço na placa de circuito impresso. Isto é especialmente importante nos dispositivos electrónicos modernos, onde o espaço é limitado. Os componentes THD ocupam mais espaço na placa de circuito impresso devido ao seu tamanho maior e à necessidade de perfuração de orifícios.

4. Custo:
Os componentes SMD são geralmente mais caros do que os componentes THD. Isto deve-se ao facto de os componentes SMD exigirem técnicas e equipamento de fabrico mais avançados, o que torna a sua produção mais dispendiosa.

5. Processo de montagem:
O processo de montagem dos componentes SMD é automatizado, utilizando máquinas pick-and-place para colocar com precisão os componentes na placa de circuito impresso. Isto torna o processo mais rápido e mais eficiente em comparação com os componentes THD, que requerem inserção e soldadura manuais.

6. Desempenho elétrico:
Os componentes SMD têm um melhor desempenho elétrico em comparação com os componentes THD. Isto deve-se ao facto de os componentes SMD terem cabos mais curtos, o que resulta em menos capacitância e indutância parasitas, levando a uma melhor integridade do sinal.

Em resumo, os componentes SMD oferecem um design mais compacto, melhor desempenho elétrico e um processo de montagem mais rápido, mas a um custo mais elevado. Os componentes THD, por outro lado, são maiores em tamanho, menos dispendiosos e podem suportar potências e tensões nominais mais elevadas. A escolha entre componentes SMD e THD depende dos requisitos específicos da conceção da placa de circuito impresso e da utilização prevista do dispositivo eletrónico.

Como é que os componentes de montagem em superfície diferem dos componentes de orifício passante na montagem de placas de circuitos?

3. o que é a testabilidade na conceção de PCB e como se consegue?

Os nossos produtos de montagem de placas de circuito são submetidos a um rigoroso controlo de qualidade para garantir a satisfação do cliente.
A capacidade de teste na conceção de PCB refere-se à facilidade e precisão com que uma placa de circuito impresso (PCB) pode ser testada quanto à sua funcionalidade e desempenho. Trata-se de um aspeto importante da conceção de PCB, uma vez que garante que quaisquer defeitos ou problemas com a placa podem ser identificados e resolvidos antes de ser utilizada.

Conseguir a testabilidade na conceção de PCB implica a implementação de determinadas características e técnicas de conceção que facilitam o teste da placa. Estas incluem:

1. Conceção para teste (DFT): Trata-se de conceber a placa de circuito impresso com pontos de teste e pontos de acesso específicos que permitam testar com facilidade e precisão os diferentes componentes e circuitos.

2. Pontos de teste: Estes são pontos designados na placa de circuito impresso onde as sondas de teste podem ser ligadas para medir a tensão, a corrente e outros parâmetros. Os pontos de teste devem ser estrategicamente colocados para permitir o acesso a componentes e circuitos críticos.

3. Almofadas de teste: São pequenas almofadas de cobre na placa de circuito impresso que são utilizadas para fixar as sondas de teste. Devem ser colocadas perto do componente ou circuito correspondente para um teste exato.

4. Gabaritos de teste: Trata-se de ferramentas especializadas utilizadas para testar PCB. Podem ser feitos por medida para um projeto específico de PCB e podem melhorar consideravelmente a precisão e a eficiência dos ensaios.

5. Conceção para efeitos de fabrico (DFM): Trata-se de conceber a placa de circuito impresso tendo em conta o fabrico e os ensaios. Isto inclui a utilização de componentes normalizados, evitando esquemas complexos e minimizando o número de camadas para facilitar os ensaios.

6. Conceção para depuração (DFD): Trata-se de conceber a placa de circuito impresso com características que facilitem a identificação e a resolução de quaisquer problemas que possam surgir durante os ensaios.

De um modo geral, conseguir a testabilidade na conceção de PCB requer um planeamento e uma consideração cuidadosos do processo de teste. Ao implementar o DFT, utilizando pontos e almofadas de teste e concebendo para a capacidade de fabrico e depuração, os projectistas podem garantir que as suas PCB são facilmente testáveis e podem ser diagnosticadas de forma rápida e precisa relativamente a quaisquer problemas potenciais.

4. os PCBs podem ser personalizados com base em requisitos de design específicos?

Possuímos uma vasta experiência no sector e conhecimentos profissionais, e temos uma forte competitividade no mercado.
Sim, as PCB (placas de circuito impresso) podem ser personalizadas com base em requisitos de design específicos. Normalmente, isto é feito através da utilização de software de desenho assistido por computador (CAD), que permite a criação de um esquema e desenho personalizados para a PCB. O design pode ser adaptado para atender a requisitos específicos de tamanho, forma e funcionalidade, bem como incorporar componentes e recursos específicos. O processo de personalização pode também envolver a seleção dos materiais e técnicas de fabrico adequados para garantir que a placa de circuito impresso cumpre as especificações desejadas.

Montagem de placas de circuito impresso

5) Qual é a distância mínima necessária entre os componentes de uma placa de circuito impresso?

Dispomos de equipamento e tecnologia de produção avançados para satisfazer as necessidades dos clientes e podemos fornecer-lhes produtos de alta qualidade e de baixo preço para a montagem de placas de circuitos.
A distância mínima necessária entre os componentes de uma placa de circuito impresso depende de vários factores, como o tipo de componentes, a sua dimensão e o processo de fabrico utilizado. Geralmente, a distância mínima entre os componentes é determinada pelas regras e directrizes de conceção do fabricante.

Para componentes de montagem em superfície, a distância mínima entre componentes é tipicamente de 0,2 mm a 0,3 mm. Esta distância é necessária para garantir que a pasta de solda não faça ponte entre as almofadas durante o processo de refluxo.

Para componentes com orifícios de passagem, a distância mínima entre componentes é normalmente de 1mm a 2mm. Esta distância é necessária para garantir que os componentes não interferem uns com os outros durante o processo de montagem.

Em aplicações de alta velocidade e alta frequência, a distância mínima entre os componentes pode ter de ser aumentada para evitar interferências de sinal e diafonia. Nestes casos, as regras e directrizes de conceção do fabricante devem ser seguidas à risca.

Em geral, a distância mínima entre os componentes de uma placa de circuito impresso deve ser determinada com base nos requisitos específicos do projeto e nas capacidades do processo de fabrico.

 

Etiquetas:conjuntos de placas de circuitos impressos